Silêncio de dois Sons, de Silêncio de dois Sons, de Silêncio de dois Sons, de Silêncio de dois Sons, de Silêncio de dois Sons, de

Antevisão: Festival Internacional de Roterdão transforma-se na Meca Europeia para os amantes do cinema

É caso para dizer que a partir do dia 25 de Janeiro todos os caminhos vao dar a Roterdão. A cidade prepara-se para receber a 41ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão (IFFR). Além do público geral, que na edição passada ultrapassou os 341.000 visitantes,  2.500 profissionais do cinema provenientes de todo o mundo estarão presentes este ano no festival. Entre eles os realizadores Michel Gondry, Steve McQueen e Eric Khoo.

Com uma história longa e repleta de muitos sucessos, o IFFR tem promovido o cinema independente. Além da exibição dos filmes inseridos nas diferentes secções de competição, durante o festival decorrerá o CineMart. O CineMart é o palco ideal para cineastas com projectos criativos e originais. Esta plataforma permite aos realizadores apresentarem os seus projectos a um painel de profissionais do cinema composto por produtores, distribuidores, estações de televisão e outros potenciais financiadores.

Este ano, a antestreia de 38 Témoins, realizado por Lucas Belvaux, fará as honras de abertura na noite de Quarta-feira. Rutger Wolfson, director do IFFR, considera-o “um filme bem escrito, que nos alimenta o pensamento clarificando as consequências de emoções como o medo ou a vergonha”.

Num festival dedicado intrinsecamente à pluralidade da sétima arte, não só no que toca à diversidade dos filmes mas também à nacionalidade dos mesmos, 9 filmes portugueses estarão incluidos na programação deste festival.  A Vingança de uma Mulher, de Rita Azevedo Gomes, e a co-produção luso-francesa Demain?, de Christine Laurent, serão duas longas-metragens apresentadas na secção Spectrum. As Ondas, uma curta de Miguel Fonseca, terá a sua estreia Mundial em Roterdão.  Ainda a propósito de curtas, na secção Spectrum Shorts estarão em competição Cerro Negro, de João Salaviza, O Nosso Homem, de Pedro Costa, Palácios da Pena, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, e ainda Silêncio de dois Sons, de Rita Figueiredo.

Na secção dedicada a realizadores emergentes estará Marcelo Félix com a sua Arca do Éden. Este documentário define-se como  com o uma “analogia discreta entre os problemas de conservação na botânica e no cinema , e seguindo os passos de um viajante indeciso entre guardar e descobrir, o filme liga o passado e o futuro, ambos míticos, da nossa luta com a perda do que nos rodeia e faz parte de nós.”. Apresentado anteriormente no circuito internacional, foi aclamado pela crítica e conquistou o prémio de melhor filme no Festival Temps D’Images.

A presença da língua portuguesa no IFFR não ficará por aqui. O Ante-Cinema vai estar em Roterdão e irá acompanhar em exclusivo nacional todo o Festival. Não perca esta oportunidade de acompanhar por perto um dos maiores festivais de cinema do Mundo!

Deixar uma resposta

O seu email não será publicado. Campos de preenchimento obrigatórios *